Notícia

Furacão Irma provoca rastros de destruição por onde passa

Com ventos de até 298 km/h, o furacão Irma – que já alcançou as ilhas caribenhas de Anguilla, Antígua e Barbuda, Cuba, Porto Rico e o Estado americano da Flórida – já garantiu seu lugar nos livros dos recordes.

Até o momento, ele é o segundo furacão mais poderoso registrado na história do Atlântico, seguindo de perto o “Allen”, cujos ventos superaram os 300 km/h em 1980.

Devastador, o furacão deixou rastros de destruição e morte por onde passou. Confira:

Classificado como furacão de categoria 5, na ocasião, pelo NHC (sigla em inglês para Centro Nacional de Furacões), o Irma atingiu a ilha de Barbuda na quarta-feira com ventos que alcançaram os 295 km/h, deixando um morto.

Na sequência, seguindo rumo ao noroeste, o furacão, com ventos de até 360 km/h, varreu as ilhas de São Bartolomeu, São Martinho e Anguilla. Ao menos treze pessoas morreram na região, que ficou devastada. A ilha de São Martinho estaria 95% destruída, segundo o governo local. O furacão, indo a oeste, acabou atingido as Ilhas Virgens americanas. Ao menos quatro pessoas morreram em função do Irma.

Na quarta-feira à noite (6), Porto Rico, que fica próximo às Ilhas Virgens americanas, viu o Irma chegar com ventos de cerca de 295 km/h. O furacão provocou cortes no fornecimento de energia elétrica e fortes chuvas. Ao menos duas pessoas morreram.

Na mesma região, o Irma chegou à República Dominicana e ao Haiti na quinta-feira (7). Ao menos 19 mil dominicanos tiveram que deixar suas casas. Autoridades da República Dominicana também cortaram o fornecimento de eletricidade em muitas zonas de maneira preventiva.

Na sexta-feira (8), o furacão seguiu a noroeste, passando entre Cuba e Bahamas. Os cubanos sentiram mais os efeitos do Irma no sábado (9), quando ele atingiu o arquipélago de Camagüey, situado no norte da Ilha, com ventos de 260 km/h. Ondas de até sete metros foram registradas e a região de Havana foi colocada em alerta. Mais de 1 milhão de pessoas deixaram suas casas em zonas vulneráveis do país.

Neste domingo, o Irma, na categoria 4, chegou ao sul do estado americano da Flórida com ventos de cerca de 215 km/h. No total, as autoridades americanas ordenaram que 6,3 milhões de pessoas deixassem as suas casas na Flórida. Mais de um milhão já haviam recebido uma ordem de evacuação obrigatória. Ao menos três pessoas morreram na região até a manhã deste domingo.

Apesar de já ter perdido a força, o Irma continua provocando estragos nos Estados Unidos. Cerca de 4 milhões de casas e empresas ainda estão sem energia elétrica na Flórida.

 

Meteorologista é quase arrastado.


Compartilhe nas redes sociais:


#eusoumaster

x